sexta-feira, 16 de maio de 2014

Justiça com as próprias mãos?




Hoje eu gostaria de falar um pouco sobre um fato que causou grande comoção e mal estar na sociedade: o linchamento da dona de casa Fabiane Maria de Jesus, mãe de duas filhas, de 12 anos e 1 ano.
O que leva pessoas normais, que vivem em sociedade, a cometer tamanha e injustificável crueldade?
 

Justiça


Ao se deparar com uma situação em que uma mulher adúltera estava prestes a ser apedrejada, Jesus mostrou a cada um dos homens os seus próprios pecados. Então, envergonhados por terem sido "desmascarados", todos foram saindo um a um. Tampouco Jesus julgou aquela mulher, muito pelo contrário, ele disse: "Nem eu também te condeno; vai-te, e não peques mais." João 8:11

Se ela, que era uma mulher condenada pela lei dos judeus, foi perdoada por Jesus, o que dizer de uma mulher inocente que foi confundida com uma sequestradora por causa de um boato e por isso foi cruel e covardemente linchada?
E agora, como fica essa família - mais uma - que foi destruída pela violência que reina no país?
De acordo com os noticiários veiculados pela mídia, a polícia chegou ao local somente duas horas após o início da confusão. Como assim?


Sempre um acidente ou incidente ocorre devido a dois ou mais fatores, nunca é causado por um fator isolado, salvo raríssimas exceções.
Um retrato-falado feito em 2012 publicado em uma rede social sem a devida averiguação, a demora das autoridades em chegar ao local... Se formos pensar bem, há mais do que dois fatores que geraram essa tragédia. Erro após erro, é sempre assim que os acidentes acontecem.


Eu fico tentando imaginar aquela mulher, pega de surpresa, que não teve como se defender dos muitos homens - e pasmem, até crianças! - que participaram dessa covardia.
Uma multidão influenciada pelo mal em sua de suas piores formas, assim como aconteceu com Jesus quando Herodes perguntou ao povo qual preso deveria ser liberto, se Jesus ou Barrabás, ao qual a resposta em uníssono foi: "Barrabás, solte Barrabás!"

O que será que passou na mente daquela mulher naqueles momentos cruéis, insuportáveis, intermináveis?
Será que ela teve tempo ou condições de imaginar que por ter oferecido uma banana à uma criança que não conhecia e estar carregando uma Bíblia com uma capa não muito conhecida foram os motivos do início da confusão que terminou com a sua morte?



Justiça

 Em relação a Bíblia, se fosse de capa preta, o imaginário coletivo totalmente distorcido e as mentes encolerizadas no momento, poderiam julgar ser uma bíblia satânica. Eu acredito que o fator principal foi o fato de ter chegado perto de uma criança que não conhecia de forma gentil.

Isso justifica tamanha crueldade?
Algo justifica tamanha crueldade?


As fotos falam por si só. Não tive coragem de ver os videos postados na internet...

E agora, como fica a situação dessa família? Da bebezinha de apenas um ano? Da menina de 12 anos? Do marido? Dos familiares?
Como é que essa criança, tão pequena ainda, crescerá sem o amor de mãe?

O "pecado" dessa mulher foi ser gentil em um mundo no qual a gentileza, a simpatia e os sorrisos desinteressados estão a cada dia perdendo mais espaço para a impaciência, o estresse, a desconfiança, as drogas e a falta de amor ao próximo.

Quem nunca errou que atire a primeira pedra...


Bíblia Sagrada

Nota: sobre a capa da Bíblia, copio aqui um trecho do artigo do Michelson Borges, do site Criacionismo. Se quiser ler na íntegra, acesse:  Criacionismo - Deus, por que fazemos isso?

"Fabiane havia voltado para casa para pegar uma Bíblia, quando foi confundida com a sequestradora praticante de magia negra. Ao ver a foto acima, pude identificar a edição da Bíblia Ave Maria, no chão. Fui eu quem desenhou a capa dessa edição, quando tinha 18 anos de idade. Espero que Fabiane tenha encontrado esperança naquelas páginas. [MB]"



Nota: Não sei quem são os autores dessas fotos. Se você souber, por gentileza, me avise para eu colocar os devidos créditos no post. Desde já agradeço!
 



Nenhum comentário:

Postar um comentário