terça-feira, 27 de setembro de 2016

Acróstico DRIVE - você conhece?


Há algum tempo li um texto que me impressionou muito, então resolvi fazer esse post sobre o assunto.
 

Para iniciar, tenham em mente as seguintes formações acadêmicas e atividades:

- formações acadêmicas: graduações em história, comunicação organizacional, administração e teologia; doutorado em comunicação pela Universidade de Harvard; pós doutorados em gestão educacional, inteligência emocional e treinamento de liderança executiva.
 

- atividades profissionais: editor de revistas, vice-presidente mundial de uma grande congregação, autor de 15 livros, pastor, professor e diretor universitário.

- atividades pessoais: exercícios físicos 5 vezes por semana, 500 abdominais e 50 flexões de forma ágil, participação em maratonas, escalar montanhas inclusive na Antártida e Pólo Norte (até hoje cerca de 200 pessoas realizaram essa proeza).

 

Em sua opinião, quantas pessoas são necessárias para realizar todas essas atividades de forma eficiente?
3?
5?
8?
10?


 

Be possible
Se você escolheu algum desses números é porque ainda não conhece Delbert W. Baker. Ele nasceu em 1953 nos EUA, mas parece ter nascido 2 décadas depois, tamanho é o vigor e o espírito jovem que possui.

De onde ele tira tanta energia, tanta força?
Em primeiro lugar, de Jesus.  

 
“Ele é o meu Salvador e fonte da minha motivação e inspiração. (...) É maravilhoso sentir que estou no centro da vontade de Deus e que, portanto, Sua providência e orientação estão me conduzindo a cada dia de minha vida em todo e qualquer desafio diante de mim. Isso me encoraja”.
 
Em segundo lugar, do acróstico DRIVE, que significa:
Diligência

Resiliência
Iniciativa
Visão
Energia

Essa é a “chave” da sua vida. Ele ressalta que a sua preferida é a iniciativa, pois pessoas que a têm vão além daquilo que fazem.


Eu achei esse acróstico perfeito e passível de ser utilizado por todos nós, obviamente com certo – ou muito – grau de dificuldade, pois nossa tendência natural é exatamente no sentido oposto. E para reforçar nossas atitudes, as sinapses cerebrais que formamos ao longo do tempo estão bem consolidadas nessa direção.

Analisando as 5 palavras, acho que consegui entender o motivo do Dr. Baker preferir a iniciativa, pois é como se ela fosse o “motor”, ou o primeiro passo para que as outras qualidades funcionem plenamente.

Interessante também a escolha da palavra Drive (dirigir, em inglês), pois acredito que aquele que conseguir guiar sua vida nessa direção de maneira eficiente e com visão apurada será muito bem sucedido, não somente em termos materiais, mas em relação à “Vida” de verdade, à vida que vale a pena ser vivida.

Se o Br. Baker olhar hoje para o seu passado, acredito que ele possa dizer com satisfação: “Valeu a pena!”
E nós?
Será que podemos dizer o mesmo?



Pense nisso!


Fonte: Revista adventista 10/2015
Créditos da imagem: Greenleaf Designs - Free Digital Photos

2 comentários:

  1. Muito bom ler sobre a biografia de alguém e ver como ele faz as coisas.
    A maioria das pessoas não se dispõe a mais nada fora as atividades fisiológicas de comer e dormir, trabalhar, pagar contas, namorar, matar sede e fome. É uma pena!
    Um dia vou criar meu Acróstico também. ehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frugal,

      Que bom te ver por aqui!
      Como você disse, a maioria das pessoas vive somente com as atividades essenciais, desprezando seus próprios potenciais intrínsecos. Uma pena mesmo, tanta inteligência desprezada de forma voluntária...

      Abraços,

      Excluir