terça-feira, 3 de abril de 2018

Concentre-se na tarefa que você tem em mãos


Conforme prometido anteriormente, esse é o segundo post sobre algumas reflexões do livro "Na jornada com Cristo", de Max Lucado (clique aqui para ler o primeiro). Meu objetivo é aprofundar um pouquinho mais o assunto, focando o lado do desenvolvimento pessoal e do autoconhecimento. Ao ler os textos, vários questionamentos e pensamentos passaram por minha mente. São eles que quero compartilhar com vocês.

O autor inicia esse texto falando sobre o fato da vida ser difícil por si só e piorar quando seguimos na direção errada. Por isso, é fundamental estarmos focados em nossos objetivos, em nossa missão, valores e princípios. Nossas atitudes no momento presente é que determinarão nosso futuro, por isso, nada mais adequado e sábio do que estarmos realmente concentrados e conscientes do motivo e do objetivo de nossas ações.



escadas


Max Lucado cita o exemplo de Jesus, que teve muitas oportunidades para ser um revolucionário político ou um poderoso líder nacional. Mas como nenhum desses era o Seu objetivo, Ele seguiu Seu caminho e cumpriu a missão à Ele destinada.

Agora, deixando o texto um pouco de lado, pergunto: apesar das inúmeras alternativas que temos, será que estamos seguindo realmente o nosso próprio caminho, sem interferências ou pressões da sociedade, do marketing ou de nossos próprios familiares?

Será que estamos mesmo focados e tendo como meta alcançar o que nos faz bem, o que faz com que nos sintamos vivos, plenos e completos?
Será que estamos mesmo focados em viver o momento presente como deveríamos?

Ou será que, principalmente por questões financeiras somos forçados (ou nos forçamos) a trilhar o caminho deteriorado deixado pelas gerações anteriores? Aqui, não me refiro apenas a questões de descendência, mas também da sociedade como um todo, com suas gigantescas cidades muitas vezes disfuncionais - e até anômalas - poluição de todos os tipos, trânsito caótico, violência urbana crescente, segundas-feiras com cara de velório e sextas-feiras com cara de alívio.

Será que estamos nos aproximando ou nos afastando cada vez mais de nós mesmos, de nossa própria personalidade, daquilo que faz com que nos sintamos realmente vivos de verdade, da vida que vale a pena ser vivida?


mulher-de-bracos-abertos-ao-sol-e-natureza-ao-fundo


No final dessa reflexão, Max Lucado aborda o famoso versículo de João 19:30: "Está consumado"
Missão cumprida.
Tarefa finalizada.

E termina dizendo: "Você não gostaria de dizer o mesmo? Não gostaria de fazer uma retrospectiva da sua vida e ver que cumpriu a missão para a qual foi chamado?"


Escada - Stuart Miles - Free Digital Photos 
Liberdade - graur razvan ionut - Free Digital Photos 







10 comentários:

  1. Simplicidade, bastante complexo manter o foco na vida boa. De vez enquando nos deparamos com situações em que perdemos as redeas da vida. Por isso, é importante praticar. Atividade física me ajudam nesse sentido. A reflexão do que queremos da vida é profunda e mutável ao longo do tempo, por isso, concordo com o Prof. Clovis que a vida que merece ser vivida é a nossa vida, com todos os seus solavancos e momentos felizes.

    Boa reflexão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sequoia Investments,

      Atividade física sem dúvida é muito importante para conseguirmos manter o equilíbrio mental e físico, principalmente nos momentos que fogem totalmente ao nosso controle.

      Gostei da citação do professor Clóvis. Os videos dele são profundos e reflexivos.

      Boa semana!

      Excluir
  2. Respostas
    1. Funcionário Público Investidor,

      Bom ver você por aqui, espero que goste do conteúdo do meu blog.

      Desejo muito sucesso em seus investimentos! :)

      Abraços,

      Excluir
  3. Ótimo texto e excelente reflexão !!

    obs.: Te add na minha lista em meu Blog !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Stifler Pobre,

      Bom saber que gostou do meu post. Espero que goste do conteúdo do meu blog.
      Agradeço por me add no seu blogroll. Te add também.

      Abraços,

      Excluir
  4. Perfeito, Rosana!

    Acredito que uma das maiores forças que prejudicam nossa vida é tentar ajustá-la baseando-se nas expectativas alheias. Manter o foco em nós mesmos não é, de fato, algo muito simples.

    Como o Sequoia disse, atividade física é essencial. Meditação, boa alimentação e consciência de protagonismo e responsabilidade fazem também grande diferença.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,

      Bom saber que gostou do meu post.

      Acredito que basear nossa vida nas expectativas alheias é o caminho mais curto para a frustração.

      Não é fácil manter o foco em nós mesmos, mas quanto mais distante estamos disso, mas próximos estamos da anulação de nossa própria personalidade, de nossos valores e talvez até de nossa própria missão.

      A má alimentação atual traz muitos prejuízos físicos e mentais - pena que a maioria das pessoas não se importe muito com isso.

      Abraços,

      Excluir
  5. Não tem jeito, o tempo passa e sentimos uma necessidade premente de reflexão, de revisar alguns conceitos. Sou de uma geração em que não tínhamos muitas escolhas, ou escolhas fáceis. A gente tem de se perdoar, deixar pelo caminho nossos “buracos negros”, nossas grandes ou pequenas perdas... Afinal, só deve ficar mesmo com o que realmente nos faz crescer e evoluir em direção ao nosso propósito maior de sermos nós mesmos em todos os momentos.
    bj

    ResponderExcluir
  6. Ypsilon Yvone,

    Cada geração com suas peculiaridades, não é?
    Sua última frase ficou perfeita. Devemos nos focar no que realmente importa, no que nos faz crescer e alcançar nossos objetivos.

    Boa semana!

    ResponderExcluir