terça-feira, 3 de julho de 2018

Para onde você está caminhando?


Hoje meu post será um pouco diferente: escolhi uma reflexão que achei muito extensa para o propósito do Para Pensar#, por isso resolvi postá-la agora. O texto foi retirado do site Cidadania e Cultura. Recomendo a leitura completa (veja aqui), pois acredito que seja muito útil para todos nós.

O estudo citado no texto foi retirado do livro O Milionário Mora ao Lado – Os Surpreendentes Segredos dos Americanos Ricos de Thomas Stanley e William Danko (São Paulo: Manole, 1999).


"Frugalidade é a palavra-chave do padrão de vida dos milionários tradicionais norte-americanos, descoberta por Stanley e Danko enquanto realizavam a pesquisa. Os autores, em certo momento do seu trabalho, organizaram uma reunião para entrevistar dez chefes de família com patrimônio de 10 milhões de dólares ou mais. Queriam saber, basicamente, quais eram suas necessidades.

Para deixar o grupo à vontade, alugaram uma cobertura em Manhattan e contrataram dois chefs de cozinha que serviram quatro tipos de patês e três de caviar. Para acompanhar, sugeriram vinhos Bordeaux de 1970 e Cabernet Sauvignon de 1973. O primeiro milionário, um grande proprietário de imóveis comerciais em Nova York, chegou. Quando lhe ofereceram o Bordeaux, olhou a garrafa com cara de interrogação e confessou só tomar scotch e dois tipos de cerveja. Nenhum dos milionários presentes tocou no caviar nem tomou um gole sequer de vinho. Eles apenas comeram as torradinhas. Os autores aprenderam a lição: depois desse episódio, todas as outras entrevistas foram regadas a refrigerantes e sanduíches.

Os milionários gastam bem menos do que os emergentes saídos subitamente de classe de baixa renda. Quando estes ascendem socialmente, em geral, passam a fazer compras de bens de consumo conspícuo de maneira desenfreada. Isto sem falar em viagens-selfies e restaurantes caros como exibição de (falso) status social.

A realidade dos ricos em dinheiro e cultura está no extremo oposto. A maioria dos ricos americanos costuma usar só os pontos de fidelidade a uso de cartões de crédito. Atualizam, regularmente, um orçamento doméstico e controlam suas despesas. Planejam com cuidado todas as decisões financeiras. Dedicam tempo a gerir seu dinheiro e não comprar bens caros como carros de luxo 0 km."


E você? 
Para qual desses dois lados está caminhando?


Fonte: Cidadania e Cultura - Independência Financeira




20 comentários:

  1. Aqui em casa gastamos com o que é necessário ,permitindo-nos viagens em férias e coisas "frugais", sem nada de luxos ou frescuras... Somos simples, cuidamos de bem gastar o que tanto trabalho deu e dá pra ganhar! bjs, chica, lindo dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rejane,

      Gostei do seu exemplo. A simplicidade gera frutos muito bons ao longo do tempo, principalmente a não escravidão por itens considerados "essenciais" pela sociedade.

      "...cuidamos de bem gastar o que tanto trabalho deu e dá pra ganhar."
      Gostei da frase. :)

      Boa semana!

      Excluir
  2. Olha, estou do lado frugal :)

    Boa semana!

    ResponderExcluir
  3. Lado frugal também, mas eu nunca recusaria beber esses dois vinhos! rsrs
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Risco é Tempero,

      Gostei do seu comentário, equilíbrio é fundamental.

      Espero que goste do conteúdo do meu blog. O seu é muito bom, eu ainda não conhecia.

      Boa semana!

      Excluir
  4. excelente post!

    continuo fora do lado sombrio da força.

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Scant Tales,

      Boa e sábia escolha.
      Boa semana!

      Excluir
  5. Excelente texto, Rosana!

    Essa passagem do livro do Stanley é icônica. Lembro-me muito bem dela, pois reunir decamilionários faz a gente pressupor imagens de pessoas nadando de braçada em luxo e mais luxo. Ledo engano.

    Os verdadeiros milionários preferem não mostrar sua riqueza material na forma de símbolos de status, mas sim exibir suas conquistas pessoais e suas virtudes.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme,

      Gostei da sua última frase: virtudes, valores e conquistas no âmbito pessoal. Essas sim são atitudes louváveis e dignas de divulgação com o objetivo de melhorar a vida das pessoas. Não é por acaso que Warren Buffet e Bill Gates acreditam tanto em filantropia.

      Boa semana!

      Excluir
  6. Frugal sem duvida nenhuma. A vida fica mais leve conforme deixamos nosso ego e consequentemente a sociedade de lado.

    Viva a IF

    Obrigado pelo texto reflexivo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kspov,

      "A vida fica mais leve conforme deixamos nosso ego e consequentemente a sociedade de lado."
      Gostei da sua frase, concordo totalmente.

      Boa semana!

      Excluir
  7. Este post foi sensacional.
    Vou prestar mais atenção ao blog.
    Adicionado à blogroll.
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maestro Investidor,

      Bom saber que gostou do post. :)
      Agradeço por ter me add em seu blogroll. O seu também já está aqui.

      Boa semana!

      Excluir
  8. Olá Rosana!

    Perfeito! Esse livro é muito bom, foi um dos primeiros que li na leva que veio depois do Pai Rico. E ele traz muitas coisas surpreendentes, principalmente para as pessoas que acham que a maioria dos milionários saem andando de Ferrari nas ruas e gastam dinheiro com inúmeras frivolidades...

    O lado que estou? Eu diria com certeza do frugal, mas com uma vida que permite um pequeno excesso de vez em quando... de vez em quando rsrs

    Como disse o Guilherme, virtudes e conquistas pessoais (e não materiais) são o que há!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,

      O mais legal é que, com a sua mentalidade, você dificilmente deixará se levar pelo consumo de frivolidades. Acho até que essa é uma daquelas coisas que aprendemos e nos transformam para sempre: consumir com consciência, com pequenos excessos esporádicos e não rotineiros.

      Boa semana!

      Excluir
  9. Olá Rosana, nunca pude fazer nenhuma besteira quando se trata
    de dinheiro. Sempre vivi num aperto daqueles. Hoje então, nem te conto!
    Mas posso te garantir uma coisa; conheço pessoas mais pobres que eu(se é que isso é possível, e vivem fazendo besteiras. Gastam o que não tem e vivem endividados. Não tenho dinheiro, mas também não tenho dívidas. Só as contas normais do mês. Texto muito bom.
    Beijos, Deus esteja com você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Edna,

      Ter pouco dinheiro e não ter dívidas é uma grande começo! Como você disse, muitos se endividam com gastos desnecessários, para agradecimento da indústria e desespero da saúde financeira.
      Bom saber que gostou do texto, desejo-lhe tudo de bom.

      Boa semana!

      Excluir
  10. Os verdadeiros ricos... não se tornaram ricos... esbanjando... isso fica reservado apenas aos novos-ricos... que muitas vezes a vida se encarrega de os devolver... ao ponto de partida... como algo de bíblico... do pó vieste... e ao pó voltarás...
    Bem... eu sei que jamais serei uma pessoa rica... mas já me contento em saber que tentarei ser o mais possível... uma rica pessoa... :-))
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana,

      Os novos ricos gostam muito de status e como você disse, acabam muitas vezes voltando ao ponto de partida ad pobreza.

      Pessoa rica x rica pessoa - gostei da inversão, muito boa!

      Boa semana,

      Excluir