sexta-feira, 27 de junho de 2014

Argeu Lopes - um testemunho que fortalece a fé


O testemunho de um homem que seguia o formalismo religioso, mas que até então não havia tido um encontro com Deus. Até que um dia ele causou acidentalmente a morte de uma criança e algum tempo depois passou por um grave problema de saúde.
Vale muito a pena ver até o final.  É um daqueles testemunhos que fortalece a fé e a esperança.


terça-feira, 24 de junho de 2014

O que você fez de bom hoje?


Há algum tempo vi uma tabela com as tarefas diárias de Benjamim Franklin no artigo 8 valiosas lições extraídas da rotina diária de Benjamin Franklin no Valores Reais e fiquei pensando sobre o assunto, mais especificamente sobre dois pontos.


Pergunta da manhã: O que pretendo fazer de bom hoje?
Pergunta da noite: O que fiz de bom hoje?


Na correria do dia-a-dia, acredito que não damos muita atenção a coisas como essas.
Entretanto pequenos hábitos como esses, aparentemente insignificantes, são exatamente os que trazem mais significado e sentido para as nossas vidas.
Podem ser coisas bem triviais e simples, como ouvir alguém que naquele momento necessita conversar, ajudar um deficiente físico ou um idoso a atravessar a rua, deixar uma pessoa que está com muita pressa passar na sua frente na fila do supermercado. Já reparou como isso faz com que nos sintamos tão bem, por menor que seja a ação praticada?

Com o tempo, começaremos a sentir a necessidade de fazer coisas maiores, mas de início, coisas mais simples são melhores pois nos ajudarão a formar o hábito e a não desanimar diante das primeiras dificuldades.



E então: o que pretende fazer de bom hoje?


Construindo

 Créditos da imagem: renjith krishnan - Free Digital Photos

terça-feira, 17 de junho de 2014

Conta essencial - você sabe o que é?


Talvez você ache estranho o conteúdo desse artigo, mas acredito que simplicidade também tenha relação com o uso sábio do dinheiro.
Minha intenção é criar outros posts sobre esse assunto, os quais espero que sejam úteis à você, aos seus familiares e amigos.
Se você gostar, compartilhe com eles também!



Dinheiro


Há alguns anos o Banco Central criou um tipo de conta bancária na qual não há taxa de manutenção mensal. É apropriada para quem usa pouco os serviços bancários, conforme a lista abaixo:
- realização de até quatro saques, por mês, em guichê de caixa, inclusive por meio de cheque ou de cheque avulso, ou em terminal de autoatendimento;
- realização de até duas transferências de recursos entre contas na própria instituição, por mês, em guichê de caixa, em terminal de autoatendimento e/ou pela internet;
- fornecimento de até dois extratos, por mês, contendo a movimentação dos últimos 30 dias por meio de guichê de caixa e/ou terminal de autoatendimento;
- realização de consultas mediante utilização da internet;
- fornecimento de até dez folhas de cheques por mês, desde que o cliente reúna os requisitos necessários à utilização de cheques, conforme a regulamentação em vigor e condições pactuadas.
Fonte: Faq Tarifas - Banco Central

Obviamente esse tipo de conta nunca é divulgada pelos bancos, mas se você achou interessante e gostaria de mudar, basta procurar o seu gerente e solicitar a mudança. Talvez não seja uma tarefa muito fácil pois o que os bancos menos querem é diminuir a arrecadação. De qualquer forma, se o cliente solicitar, eles são obrigados a efetuar a mudança.
Antes disso, sugiro que dê uma olhada na norma referente ao assunto, no site do Banco Central através do link: 

Resolução 3919 do Banco Central 

Dessa forma ficará até mais fácil no momento em que for conversar com o gerente, pois ele saberá que você está por dentro do assunto e terá menos chances para enrolação. Sugiro também que você imprima as páginas 1 e 2 norma, que são referentes ao assunto conta corrente, pois assim ele não terá quase argumentos para tentar te convencer do contrário, pois uma das coisas que os bancos menos querem são problemas com o Banco Central.


Há menos de um ano minha mãe abriu uma conta corrente essencial em um grande banco e menos de 6 meses depois recebeu um telefonema no qual a atendente tentou convencê-la a adquirir algum dos pacotes de serviços do banco (= tarifa de manutenção mensal) e até salientou que o banco precisava arrecadar essas taxas para continuar no mercado, que sem elas fica difícil trabalhar etc.
Claro que minha mãe não aceitou e até citou a norma do Banco Central referente a conta essencial. Dessa forma, a atendente ficou sem argumentos e desistiu.
Achei absurdo e antiético tal telefonema, pois os bancos tem altos lucros com vários produtos que vendem ou que empurram aos clientes, como títulos de capitalização - logo farei um post sobre esse assunto. Ganham também com juros altíssimos de empréstimos, cheque especial e crédito rotativo do cartão de crédito.
Então fica o alerta: se receber telefonema semelhante, não se deixe convencer pelo atendente.

Qualquer dúvida, é só postar um comentário abaixo.



Créditos da imagem: David Castillo Dominici - Free Digital Photos


sexta-feira, 13 de junho de 2014

O amor pelos animais



Creio que essa é a mais difícil das recomendações de Jesus.

Amar o próximo que é nosso familiar, que é nosso amigo, é fácil. Mas e amar aquelas pessoas das quais não gostamos? E aquelas com as quais nunca mais gostaríamos de nos encontrar novamente?
Ainda não consegui desenvolver esse tipo de amor por pessoas das quais não gosto...
Então, gostaria de falar sobre um outro tipo de amor: o amor pelos animais. 


Menino e cachorro caminhando

Fico pensando: será que o próximo falado por Jesus não pode ser também um animal? Caso você acredite que não, por que não? Gostaria muito de saber a sua opinião sobre o assunto.

O que percebo é que a maioria das pessoas e das igrejas dão uma importância muito grande aos humanos e quase nada aos animais. Usando uma analogia, seria como uma mesa farta para os humanos e as migalhas que caem dela para os animais. Eu tentei muito entender o motivo dessa diferença de tratamento, mas sinceramente não consigo!

Muitos animais - me refiro aqui mais aos animais de estimação - são nossos próximos mais próximos, muito mais próximos do que os humanos. E o mais incrível: nos amam incondicionalmente e não nos pedem nada em troca. Nos amam como somos: mal-humorados, bem-humorados, extrovertidos, introvertidos, calmos, agitados, desastrados, cuidadosos... Nos amam com todas as nossas qualidades e a despeito dos nossos defeitos. Aceitam o nosso "pacote" completo. Isso me remete ao amor divino: não merecemos, mas Deus nos ama como somos, com todos os nossos defeitos.

Então, como não amá-los?
Quem tem animais em casa, sabe do que estou falando. É impossível não amá-los.

E, de nossa parte também, percebo que os amamos de forma incondicional, desinteressada. Os amamos pelo que são, do jeito que são. E, se estivermos dispostos a aprender, eles nos ensinarão preciosas , importantes e sábias lições.



Talvez por muito tempo eu continue a não entender o motivo das igrejas - e do mundo em geral - em inferiorizar os animais e exaltar os humanos. Mas talvez isso explique o fato de que o amor esfriou em muitos, como está escrito em Mateus 24:12 "E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará", pois se o primeiro passo foi o amor e o respeito esfriarem em relação aos animais, o passo subsequente  foi dado com mais facilidade, que é a falta de amor das pessoas em relação aos seus semelhantes, o que trouxe como consequência toda sorte de males e pecados dos quais a humanidade praticamente se tornou refém.

Como reverter ao menos um pouco essa triste situação? Qual é o primeiro passo?
Talvez uma atitude simples, mas difícil para alguns - ou para muitos: respeitar os animais e a natureza em geral, como eles merecem.
Não precisa amá-los. Respeitá-los já é o suficiente. Um grande, um enorme, um gigantesco passo.

Acredito que quem conseguir desenvolver bem essa etapa, não conseguirá não mais amar os animais. E quem sabe, consiga até chegar mais próximo do amor ao qual Jesus se referiu quando disse: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo." (Mateus 19:19).


Pense nisso!


Créditos da imagem: Vlado - Free Digital Photos

terça-feira, 10 de junho de 2014

“Lei da Palmada” merece uma surra


Eu achei que esse é um dos melhores textos sobre a tão polêmica "Lei da Palmada". 
Vivemos em uma sociedade na qual os valores estão invertidos, não há mais respeito aos professores e muitos pais se sentem perdidos na educação dos filhos. 
Várias vezes presenciei crianças de 2, 3 anos fazendo birra, dando um show no local onde estavam. E as mães, meio perdidas, tentando dialogar com os pequenos, diante dos olhares das pessoas que se sentiam incomodadas com o barulho, mas ao mesmo tempo prontas a reprovar caso alguma palmada fosse dada na criança.
Se nem os adultos quando estão com raiva conseguem dialogar de maneira racional e equilibrada, imagine uma criança de 2 anos que está com raiva por não ter sua vontade satisfeita...

Como será esse país daqui a 10 anos? Melhor nem pensar sobre isso...

Crianças


Abaixo o excelente texto do Régis Tadeu, do qual tirei o título para esse post.


Sim, o título deste texto foi escrito para chocar mesmo, principalmente aqueles que aplaudiram a ridícula iniciativa de alguns de nossos parlamentares, que já conseguiram solucionar todos os problemas do Brasil e agora, na falta do que fazer, resolveram – mais uma vez! – “jogar para a galera” e elaborar uma tal “Lei da Palmada”.

Não poderia ser diferente, né? Afinal de contas, estamos em ano de eleição e sempre pega bem estas exibições de correção política, mostrar que os deputados estão realmente preocupados com a “segurança de nossas crianças”. Isto rende muitos votos, certo?

Com tantas coisas para se resolver neste País abandonado pela razão e pelo bom senso, as "excelências" apelam novamente para propostas popularescas e absurdamente inúteis, como esta “lei da Palmada”, que agora passou a ser conhecida como “Lei Menino Bernardo”, em uma duvidosa 'homenagem' ao garoto que foi barbaramente assassinado no Rio Grande do Sul recentemente, supostamente pela madrasta e pelo pai.

Mais do que uma 'homenagem' ao menino morto, trata-se de um evidente e rasteiro golpe de marketing eleitoreiro para atingir em cheio o coração da comoção pública que tal crime causou. O que você queria? Que os políticos brasileiros tivessem um mínimo de escrúpulo? Claro que não, né? Isto é impossível.

Antes que você comece a bufar de raiva com o que escrevo, um alerta: sou absolutamente contra qualquer tipo de castigo físico contra crianças, adultos, velhos, marcianos, golfinhos e qualquer ser vivo. Ah, agora você está confuso, tentando entender a minha posição? Eu explico: castigo físico e agressão é uma coisa, uma palmada corretiva que uma mãe ou um pai dá em seu filho mal educado e birrento é outra. Completamente diferente. E posso explicar isto justamente porque não sou pai e nem pretendo ser...

Primeiro, é preciso que você entenda que a tal lei nada tem a ver com aquela barbaridade hedionda. Depois, é preciso separar uma coisa da outra. Dar uma palmada corretiva em uma criança que ainda está em fase de formação e, por não entender muito bem o que acontece à sua volta, testa constantemente os limites impostos pelos pais, é diametralmente oposto a uma surra que venha a causar traumas futuros da meninada. Nada a ver.

Pergunte a qualquer pai e mãe quantas vezes eles são ou forma obrigados a agir de maneira mais ríspida quando as crianças – assim com fazem filhotes de milhares de espécies animais – testam os limites da disciplina imposta pelos pais para que não se transformem em mini vikings ou “periguetes de tenra idade”.

Muitas vezes, palavras e broncas não resolvem certas situações. Sei disto porque vejo meus amigos e amigas passando por apuros tremendos com seus respectivos pimpolhos justamente porque não souberam ensinar noções definitivas do que é certo e errado. É desesperador em certos momentos. Eu mesmo tomei várias palmadas de meus pais em minha infância até aprender que certas atitudes não devem fazer parte de minha vida e de meu convívio com outras pessoas. Não me tornei nenhum serial killer por conta disto...

A questão toda é muito simples: não é necessário o Estado dizer aos pais como eles devem criar seus filhos. Se uma criança foi surrada ou agredida pelos pais ou por quem quer que seja, cadeia nos agressores. Simples. Tanto isto é verdade que a madrasta e o pai do tal garoto Bernardo estão em cana, aguardando a denúncia jurídica formal por parte dos promotores de Justiça e o posterior julgamento. Outra coisa: o excesso de demagogia faz com que as pessoas esqueçam que já existem leis específicas contra o abuso de violência em relação a todo mundo, criança, jovem, adulto ou velho.

O que absurdamente inconcebível é, a partir de agora, um pirralho execrável vai ter a total liberdade de transformar a vida dos pais, da família e da comunidade m que vive em um inferno dantesco. Garotos e garotas cruéis, que mais se assemelham a pequenos bandidos, não vão mais precisar testar os limites da educação dada pelos pais. Pessoas vão começar a chamar a polícia no instante em que virem os pais dando um puxão de orelhas ou uma palmada na bunda de seus filhos. É o fim da picada!

É óbvio que o Congresso e o Senado vão aprovar esta lei estapafúrdia. Incapazes de fazer algo que realmente melhore a vida do cidadão em termos de saúde, educação e situação econômica, política e social, políticos demagogos tratam de ludibriar a população incauta com regulamentações inúteis.

Que merda de país o Brasil se tornou, hein? 


Fonte: https://br.noticias.yahoo.com/blogs/mira-regis/lei-da-palmada-merece-uma-surra-163655854.html
Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

terça-feira, 3 de junho de 2014

Carmim cochonilha - você sabe o que é?



O nome talvez não seja muito conhecido pela maioria das pessoa, exceto pelas que têm o costume de ler rótulos de alimentos.
Carmim cochonilha é um corante feito através do esmagamento de insetos. Isso mesmo, insetos.

Joaninha e carmim cochonilha

Para que sejam produzidas 500 gramas de corante, são necessários aproximadamente 70 mil insetos, que são esmagados e fervidos para dar aquela coloração rosada típica de biscoitos, iogurtes, sorvetes, geleias, doces, gelatinas, gomas de mascar, sucos de morango ou frutas vermelhas em geral.
Esse corante é utilizado largamente pela indústria alimentícia e também para pigmentação de roupas e cosméticos.
Na lista de ingredientes do alimento, você encontrará algo como: carmim, cochonilla, cochonilha, corante carmim ou alguma outra derivação dessas duas palavras. O que mais chama a atenção é que algumas indústrias utilizam o nome "corante natural carmim", o que dá a falsa impressão de ser algo realmente natural.
No lugar da cochonilha poderiam ser utilizados outros corantes, como sumo de beterraba, mas a indústria parece não se interessar por essa forma mais saudável e ética de dar cor aos alimentos.
Sabe-se que a cochonilha é uma praga em várias regiões e muitos dizem que por isso é bom que sejam utilizadas para pigmentação, mas não podemos nos esquecer de que as joaninhas são os predadores naturais de cochonilhas e além disso, os insetos utilizados para pigmentação são criados especificamente para esse fim. 

Nota: Não sei quem é o autor dessa foto. Se você souber, por gentileza, me avise para eu colocar os devidos créditos no post. Desde já agradeço!