terça-feira, 30 de maio de 2017

A Neurociência da Felicidade - Consultório de Família


Esse vídeo tem aproximadamente 55 minutos, por isso não vou me estender na introdução. São abordadas as novas descobertas da neurociência em relação à felicidade e também um pouco sobre psicopatias (sobre esse assunto, fiz a resenha do livro Psicopatas do cotidiano (Katia Mecler).



terça-feira, 23 de maio de 2017

Sabedoria todo dia (Lourival Lopes) - Resenha



Esse pequeno livro em formato de bolso possui 366 páginas. Em cada um delas há uma reflexão prática, que pode ser lida em menos de 2 minutos de maneira lenta, o que é mais adequado para esse tipo de leitura.

Sabedoria todo dia - Lourival Lopes
(clique na imagens do post para ampliá-las)

As reflexões são numeradas sequencialmente para serem lidas durante 1 ano. Ou podem ser lidas de forma aleatória, abrindo-se 1 página ao acaso - o que fiz desde que ganhei esse livro.

Esse ano resolvi mudar e escolhi a leitura sequencial, o que está sendo interessante e útil por 2 motivos principais:
1) A leitura realmente completa do livro;
2) Mais disciplina e comprometimento com a leitura, pois uma página específica para cada dia aumenta também o poder de criação desse hábito diário.

Na apresentação, o autor descreve um dos objetivos do livro:

"As mensagens aqui apresentadas destinam-se a dar fortaleza ante as necessidades do cotidiano e a acender luzes permanentes de sabedoria e amor, posto que estão impregnadas de espiritualidade e elevação."

Coloco abaixo uma das mensagens, para que você tenha uma pequena ideia do que encontrará neste livro.


Sabedoria todo dia - Lourival Lopes

Conclusão
Um oásis em meio a grande quantidade de informações, demandas, pressões, decepções e problemas cotidianos: é assim que considero esse livro.
Leitura fácil, agradável, com textos curtos e profundos, que podem ser muito úteis como auxiliares em nosso crescimento interior.


Recomendo!

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Felicidade é aqui e agora - Clóvis de Barros Filho - TEDxSãoPaulo


"Cada instante da vida é uma oportunidade mágica, irrecuperável, absolutamente inédita, nunca antes vivida.
É esse momento que eu tenho para fazer nesse lugar, o melhor que eu puder fazer."

Clóvis de Barros Filho

terça-feira, 16 de maio de 2017

Pobre demais para morar no Brasil


Hoje eu gostaria de compartilhar um video muito interessante.
O custo de vida no Brasil é muito alto em relação à outros países e além disso a ostentação é muito forte. E para piorar o que já é ruim, a péssima qualidade do transporte público tornou o fato de ter um automóvel quase uma obrigação para o brasileiro. E quem não tem, muitas vezes é visto até como um ser de outro planeta.

O video faz comparações breves entre os preços que pagamos aqui e os preços praticados em outros países. A diferença chega a ser surreal. Para finalizar, aborda também a diferença entre consumo consciente e consumismo. 

Vale muito a pena ver.




Até a próxima!

terça-feira, 9 de maio de 2017

É para isso que você trabalha


Há alguns meses vi uma propaganda de um automóvel com a frase-título deste post.

Então pergunto: É?
É para isso mesmo que você trabalha?

Frase simples, comum, muito conhecida.
Frase afirmativa, quase imperativa.
Frase daquelas que tocam emocionalmente as pessoas, incentivando-as ao consumo – uma das principais atribuições do tão poderoso marketing da atualidade.

Fiquei pensando no impacto dessa propaganda (a frase e a imagem) na mente das crianças, que desde muito cedo começam a associar trabalho com consumo. Inicialmente e por motivos óbvios, não o seu próprio trabalho, mas o de seus pais.

Trabalhou? Compre!
Trabalhou? Compre!
Trabalhou mais? Compre mais!
Trabalhou menos? Ah, mesmo assim, vamos consumir como de costume!

Consumir...
Indefinidamente.
Sem muitos critérios ou sem nenhum critério.
Sem reflexões.
O importante é estar atualizado, é trocar o velho pelo novo.


Necessidades e desejos

O consumismo cada vez mais exagerado na época de final de ano nos mostra o legado que cada geração tem deixado: tudo sempre um pouquinho pior, com árvores cada vez maiores e mais enfeitadas, mais presentes, mais invenções – úteis ou inúteis – que o dinheiro pode comprar.
Exagero em compras de um lado, alegria do comércio de outro.

Voltando ao carro, em muitos casos a mente dos adultos parece ser muito semelhante à das crianças nesse sentido, mas com uma diferença: há uma longa lista de justificativas e razões para o consumo.
Eis algumas:
Eu mereço.
Eu trabalho para isso mesmo.
A vida é uma só.
Se eu morrer, vai ficar tudo aí mesmo...
Eu "preciso" desse ___________! (Precisa mesmo?)

Não existe uma campanha – e acho que nunca existiu -  que divulgasse algo como:
Esteja satisfeito com o que você já tem.
Você precisa mesmo comprar esse _______________?
Pense bem antes da compra!
Se o que você possui está funcionando e atende suas necessidades, por que quer comprar um novo?
Se você pensou em comprar algo por impulso, espere mais uma semana e veja o que acontece.

Utopia em um mundo capitalista. Eu sei.
Mas talvez em um futuro não tão distante, os problemas ambientais cada vez mais intensos e óbvios devido à exploração exagerada dos recursos naturais levem algumas empresas a um tipo de abordagem menos imperativa e afirmativa. Os acontecimentos ambientais puxam para esse lado enquanto o mercado puxa para o outro.
Quem prevalecerá?
Só o tempo dirá...

Por isso, afirmações como a do título precisam ser analisadas com muito cuidado e filtradas pela nossa mente, para não cairmos na tentação do consumo por impulso ou pela falsa sensação do “eu mereço”.

Gostaria de encerrar esse post com uma frase da qual gosto muito:


“Rico não é aquele que mais tem e sim aquele que precisa de menos."
Gretz



Até a próxima!



Créditos da imagem: Stuart Miles - Free Digital Photos

terça-feira, 2 de maio de 2017

Milagres


Quando falamos em milagres, geralmente qual é o nosso primeiro pensamento? Grandes feitos, curas impossíveis, livramentos improváveis. Tenho quase certeza de que neste momento você se lembrou de algum desses milagres que consideramos mais significativos. 

Mas e quanto aos pequenos milagres que ocorrem conosco diariamente, mas que não percebemos? Um desvio de caminho, uma palavra prejudicial não proferida, um encontro inusitado, um desencontro providencial... são muitos os pequenos milagres diários não percebidos.

Flores

O desabrochar de uma flor, a capacidade de recuperação dos corpos de todos os seres vivos, o funcionamento da mente - que nunca será totalmente compreendida pela ciência humana... pequenos milagres diários, que de alguma forma ajudam a dar sentido e sabor à vida, como se fossem peças de um enorme quebra-cabeças.

Hoje, olhe ao seu redor com bastante atenção.
Considerando o mundo superficial, consumista, confuso e violento no qual vivemos, talvez a sensação de completude, o ato de realmente viver o momento presente e a admiração pelas coisas simples também sejam verdadeiros milagres.

Para finalizar, gostaria de deixar uma reflexão atribuída ao filósofo francês Blaise Pascal.

"Blaise Pascal, um famoso filósofo e matemático francês, chegou para seu pai e disse:
- Papai, aconteceu um milagre comigo hoje!
- Sim meu filho, o que foi?
- Eu fiz uma viagem de 15 km a cavalo. Em um momento, meu cavalo galopava vagarosamente, tropeçou e caiu, mas não me machuquei.
- É verdade, meu filho, isso é um grande milagre. Contudo, aconteceu um milagre ainda maior comigo!
- O que foi papai?
- Eu também fiz uma longa viagem a cavalo. O meu cavalo galopava a toda velocidade e não tropeçou nenhuma vez!"


Pense nisso!


Fonte da reflexão: Livro Não desista dos seus sonhos - Hernandes Dias Lopes
Créditos da imagem: Arquivo pessoal