terça-feira, 30 de outubro de 2018

Você não tem celular? Como assim?


Além da expressão de surpresa, outra frase que já ouvi é: "mas como você consegue viver sem celular?" Desisti de tentar explicar. Ninguém entende mesmo!

Parece que o celular tornou-se até uma parte do corpo de muitos que o possuem. Logo, quem não tem tal aparelho é inicialmente visto quase como um extraterrestre.

"Mas e se acontecer alguma coisa?" - esse é outro questionamento frequente. 

Como eu disse no post Junk food mental, notícias ruins sempre chegam até nós de uma maneira ou de outra. E se o problema for comigo, como ocorreu em julho do ano passado quando torci gravemente o tornozelo, não seria o celular a me salvar. De uma forma ou de outra, todos nós acabamos encontrando uma solução para resolver imprevistos.



smartphones



Ter ou não ter: eis a questão

Não é que eu não tenha celular. Eu tenho um. Antigo para os padrões atuais, foi comprado em 2008. Na época paguei R$50,00 em uma grande loja de varejo. Tem visor colorido, teclas, cumpre a função de telefone quando necessário, mas a maior utilidade no momento é receber códigos de verificação de segurança de sites. Por ser algo que auxilia na proteção da conta do usuário, não tenho do que reclamar - acho até bom, pois ajuda a inibir possíveis invasões, furto de dados, etc.

Não costumo carregar o celular comigo usualmente. Só se eu achar mesmo que vá precisar. Caso contrário, fica em casa - o que ocorre em mais de 80% do tempo.

Sempre faço a recarga mínima, só para não perder a linha, pois os créditos vão acumulando já que ligações para a mesma operadora custam por volta de R$0,50. Para outras operadoras, o preço é tão alto que compensa mais ligar do telefone fixo para outro celular.

De qualquer forma, o celular que tenho supre as minhas necessidades de forma satisfatória. Se algum dia eu achar que preciso mesmo de um smartphone, comprarei um. Por enquanto, não.


Apps - como viver sem eles?

Alguns deles realmente facilitam a vida - financeiros, comunicação, idiomas, trajetos, etc. Não conheço muitos e nem faço questão.

O que necessito em relação a internet, o bom e velho desktop atende bem. Dizem que os bancos investem mais na segurança dos apps do que dos websites - não duvido que isso tenha um fundo de verdade, por isso sempre atualizo os programas necessários e escaneio o hd em busca de eventuais malwares, spywares, etc.


O que faz sentido?

Acredito que para a maioria dos leitores do blog, possuir um smartphone faz sentido - algo totalmente compreensível, inclusive por que as vantagens são inúmeras. Muitas crianças pequenas já possuem seu próprio aparelho - algo que não é bom devido ao excesso de poluição eletromagnética causada por esses aparelhos. Se quiser, veja também o post Antenas disfarçadas de árvores? Nele há um vídeo que fala sobre o perigo desse tipo de poluição.

Para mim e talvez para algumas poucas pessoas, o celular não é algo tão essencial. Não é um produto que me atrai, que desperte tanto assim o meu interesse. Quem sabe algum dia, mas por enquanto não.


Crédito da imagem: Graphics Mouse - Free Digital Photos


sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Para pensar #75


Certa vez, um vaqueiro seguia por uma estrada poeirenta com seu cão na caminhonete e o cavalo em um carreta atrás.
Em uma curva, todo o conjunto sofreu um acidente.
O policial que chegou ao local, viu o cavalo e o cão gravemente feridos e os abateu.
Finalmente localizou o vaqueiro deitado na relva, vivo, mas com as pernas quebradas.
- Olá, você está bem? – perguntou
O vaqueiro, ao ver o revólver fumegante, respondeu.
- Nunca estive melhor!

Quando os riscos imediatos ultrapassam as recompensas, as queixas param rapidamente.
Se treinarmos nossa mente para perceber o custo a longo prazo das queixas, pode ser que esse comportamento se altere.

Fonte: Jennifer Jill Schwirzer – Revista Adventista 10/2016
Obs: Alguns detalhes irrelevantes da parábola foram suprimidos.


terça-feira, 23 de outubro de 2018

Dormir no escuro: essencial para a saúde


Sem dúvida a modernidade proporciona muitas vantagens, mas um de seus pontos negativos foi a mudança drástica que ocorreu nos quartos. Antes ocupados por móveis, hoje móveis e eletrônicos dividem o espaço - muitos deles com luzes de stand by que ficam ligadas durante a noite inteira e o quase onipresente smartphone emitindo luz azul e ondas eletromagnéticas.

Aparentemente o ambiente está escuro, mas essas luzes atrapalham muito a liberação de hormônios e o próprio ciclo de sono. Para quem dorme com abajur ligado a situação é ainda pior, pois quanto maior a intensidade da luz, mais prejudicada será a qualidade do sono.


O ciclo circadiano

Você já reparou que no período da manhã a luz solar tende a ser mais branca e no período da tarde é mais alaranjada?

A luz mais branca nos ajuda a despertar, proporciona ânimo para as atividades enquanto a luz mais alaranjada acalma e relaxa, induzindo o organismo a diminuir o ritmo, pois o momento de descanso se aproxima - pelo menos teoricamente.

Antes da invenção da iluminação artificial, o ciclo sono-vigília funcionava bem, pois como durante a noite não havia muito o que fazer, as pessoas simplesmente iam dormir. Através do sono de qualidade no escuro, o corpo estava liberado para efetuar as manutenções preventivas e corretivas diárias. Nessa época, o ciclo circadiano era utilizado como projetado - não porque as pessoas eram mais sábias ou mais inteligentes, mas porque não havia quase nada para fazer durante a noite.


cidade-muito-iluminada-durante-a-noite


Iluminação artificial durante a noite

Assim como em muitas áreas, a humanidade exagera no uso de uma boa invenção. E com a iluminação não foi diferente.

A situação é tão crítica, que a poluição causada pela iluminação artificial noturna tem causado desequilíbrios ambientais. Além disso, ver o céu noturno em sua plenitude, só mesmo na área rural, bem longe das cidades.


O que ocorre com a saúde, afinal?

A melatonina é um hormônio produzido pela glândula pineal, com a função de regular o ciclo circadiano. Em condições normais, sua liberação diária começa por volta das 21 horas - momento em que iniciam-se os bocejos.

A melatonina é responsável por proporcionar um sono reparador. Para que isso ocorra, ela induz a redução da pressão arterial, dos níveis de glicose e da temperatura corporal. Para que a produção de melatonina ocorra em níveis satisfatórios, é necessário que estejamos em um local escuro. Como isso não é possível na maioria das vezes, antes de dormir - 1 hora antes talvez - procure não utilizar aparelhos eletrônicos, pois a luz azul dos leds ocasiona a supressão da melatonina.

Segundo o site Hypescience, isso ocorre por que "a melanopsina - um fotopigmento encontrado em células especializadas da retina, envolvidas na regulação dos ritmos circadianos - é mais sensível a luz azul".

Além disso, os aparelhos eletrôncos nos deixam mais alertas e acabamos tendo mais dificuldade para nos "desligarmos" e iniciarmos o sono.

Eu costumo ler algum livro ou revista - impresso e com uma lâmpada em tom amarelado no abajur. Aos poucos o sono vai chegando de forma natural. Li uma vez que para quem tem problemas de insônia, ler uma bula de medicamento ajuda. Nunca precisei, mas fica a dica.

Ao deitar-se para dormir, o quarto precisa estar 100% escuro, pois a luz no ambiente reduz drasticamente os níveis de melatonina - mais de 50%.

Por volta das 23 horas ocorre o pico da liberação do GH (growth hormone em inglês), o hormônio do crescimento. Responsável pelo crescimento na infância e adolescência e em todas as fases da vida pela manutenção da densidade óssea, aumento da queima de gordura e manutenção da massa muscular, esse hormônio também necessita de total escuridão para cumprir suas funções de forma satisfatória. 

Qualquer tipo de iluminação artificial durante a noite, por menor que seja, vai prejudicar o sono restaurador, pois os nervos ópticos presentes nos olhos percebem a luz e enviam sinais ao SCN (sigla de núcleo supraquiasmático, que está localizado no cérebro), informando que chegou o momento de acordar. Simultaneamente há o aumento da temperatura corporal e produção de cortisol (hormônio do estresse, que estabiliza os níveis de energia). Com tudo isso ocorrendo, é bem difícil não acordar - ou pelo menos passar para a fase mais leve do sono, o que prejudica a limpeza e restauração física e mental que estavam em andamento.


O resultado

Níveis elevados de cortisol à noite perturbam o sono, aumentam a resistência à insulina, as inflamações sistêmicas, os níveis de gordura corporal e prejudicam a neuro regulação do apetite.

Um estudo de 10 anos com 1670 mulheres que dormiam em ambientes iluminados demonstrou que há chance de desenvolvimento de câncer de mama aumentar em 22%, pois a supressão de melatonina alterou a parte hormonal das voluntárias.

Estudos com hamsters expostos à luz durante as horas de sono resultaram em depressão, desinteresse, ansiedade, doenças cardiovasculares, ganho de peso, diabetes e também prejudicaram o aprendizado e o humor.


emoticon-com-roupas-para-dormir

Dicas para dormir bem

As sugestões abaixo são simples, mas muito eficazes:

- Antes de dormir, faça alguma atividade relaxante para acalmar a mente, como algum tipo de leitura ou ouvir música tranquila.

- Respiração profunda, meditação e oração.

- Dormir em um ambiente limpo, silencioso, livre de aromas e com temperatura agradável.

- Não beber nada que contenha cafeína após às 18 horas.


Conclusão

Com tantos estímulos externos a chamar a atenção, muitas vezes e até difícil "desligar-se" e dar espaço a inconsciência ocasionada pelo descanso diário. Mas todos nós sabemos que uma noite mal dormida significa um dia seguinte ruim. Por isso, nada melhor e mais sábio do que deixar a natureza fazer a sua parte, o seu trabalho de limpeza e de restauração enquanto estamos no mundo dos sonhos.

A saúde futura depende, entre outros fatores, da qualidade do sono de todas as noites.


Se quiser, clique aqui para ler também um post que fiz há alguns anos sobre a importância do sono.



Referências:
Por que precisamos dormir em total escuridão
Ondas eletromagnéticas de celulares e antenas podem prejudicar a sua saúde. Veja dicas para se prevenir
Poluição luminosa e a necessidade de uma legislação - esse artigo é de 2009, mas até agora, nada de muito relevante foi feito.
Saiba tudo sobre o hormônio do crescimento

Créditos das imagens: Pixabay


terça-feira, 16 de outubro de 2018

O lado bom das redes sociais


Ao pensar em redes sociais, geralmente a primeira imagem que vem à mente são de pessoas felizes em lugares maravilhosos - a vida que todos queriam ter. Parece que momentaneamente esquece-se de que todos - ou a grande maioria - posta fotos de seus melhores momentos. E não o contrário.

Em quantas postagens você já viu a foto de uma pessoa muito sorridente em frente a um prato de jiló com arroz e a descrição "Que prato maravilhoso"? Uma pizza, um bolo ou um doce parecem combinar mais com a frase acima, não é? Pelo menos na cultora ocidental, creio que sim.

Qual das duas postagens acima seria a mais popular e mais agradável aos olhos - jiló ou pizza? É até desnecessário dizer.


emoticons


Mundo de ilusão

Todos - ou pelo menos a maioria - quer mostrar o seu melhor exteriormente nas redes sociais. Há muita preocupação com o exterior, com a aparência, em um mundo virtual de ilusões, que parece até ter sido criado com esse sendo um dos pilares.

Como era de se esperar, ao ver tantas fotos de pessoas aparentemente felizes, a frustração em algum momento virá, pois a tendência humana é a de subestimar a tristeza e superestimar a alegria de outras pessoas, assim como ocorre com músicos e atletas: ninguém sabe o quanto de dedicação, foco, perseverança, dor física, treino exaustivo, cansaço e privações foram necessários para alcançar-se grandes resultados. Vê-se somente o momento da glória e da vitória, negando-se a existência da dura jornada para o resultado final.

O ideal seria que houvesse na mente de forma bem clara que todas, absolutamente todas as pessoas têm dias ruins e que posts nas redes sociais são apenas uma faceta das várias inerentes à vida moderna.


Por que estou dizendo tudo isso?

Talvez é isso o que você está se perguntando nesse momento, pois o assunto não tem muito a ver com o título do post. Optei pelo contraste entre o que não agrega nada - ou quase nada - de conhecimento e valor para o que pode realmente fazer alguma diferença positiva na vida.


O lado bom das redes sociais

Tenha em mente que me refiro a todos os tipos de redes sociais: imagens, textos, videos, etc. Em todas elas, inevitavelmente você encontrará muitas futilidades e bobagens, mas muita coisa boa também.

Há canais e páginas específicas para os mais variados assuntos: finanças, vendas de artigos usados, meditação, músicas, ginástica, astronomia, culinária, games, jardinagem, religião, saúde, resenhas de livros, minimalismo, idiomas, reflexões, eletrônica, desenvolvimento pessoal, fotografia... A lista é imensa!

Além disso, o número de opções de qualidade tem aumentado cada vez mais, pois o que antes era amador tem se profissionalizado cada vez mais. Por isso, é muito importante que você utilize as redes sociais a seu favor e não contra você.

O tempo é um recurso finito e não renovável, por isso é essencial que cada um aprenda "a navegar e não a naufragar na internet", como disse Mário Sérgio Cortella.

Outro ponto positivo das redes sociais é reencontrar pessoas com as quais perdeu-se o contato, fazer novas amizades, aumentar a networking. Algo muito bom e que nem sempre ocorre no mundo real: no mundo virtual estamos em contato com pessoas que possuem os mesmos interesses, de forma que a troca de experiências e o compartilhamento de informações enriqueça a vida de ambos - e de muitas outras pessoas em caso de comentários públicos.

É importante ressaltar que entre as páginas sérias, há muitas com informações falsas e/ou duvidosas, mas que aparentam seriedade também. Por isso é fundamental verificar as fontes utilizadas no conteúdo postado e também nos comentários, que são uma boa forma de validação ou não do conteúdo. Na área de saúde e tratamentos naturais, o cuidado deve ser muito maior, pois há uma enorme quantidade de informações falsas que podem ocasionar sérios danos à saúde.



pessoa-com-smartphone-e-icones-redes-sociais


Conclusão

Para alguns, fonte de frustração. Para outros, fontes de conhecimento, de maior amplitude de visão e compreensão do mundo e da vida.

As redes sociais podem ser suas maiores inimigas ou suas melhores aliadas na busca por autoconhecimento, objetivos e interesses pessoais. Por isso, procure focar-se mais no que realmente te ajudará de alguma forma a ser uma pessoa melhor. Agindo assim, é bem provável que com o passar do tempo, as futilidades e assuntos sem importância para você já não façam mais sentido - se é que isso já não ocorreu.


Crédito das imagens: Pixabay

sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Para pensar #73


Amar o próximo que está distante é fácil. 
Difícil é amar aqueles que estão próximos a nós.
Madre Teresa de Calcutá 



terça-feira, 9 de outubro de 2018

Enquanto ainda há tempo - o post mais difícil de ser escrito


Esse post foi inspirado no poema "Dia de Cão", do blog Momentos e Inspirações.

As palavras do Toninho me tocaram profundamente, talvez por eu sentir um pouco de culpa sobre o assunto.


"Vejo, que hoje estarei esquecido.
Todos eles plugados na internet,
A bolinha inerte no canto da sala,
Parece dizer, hoje não é dia de cão."
Toninho

O tempo passa muito rápido, mas não nos damos conta disso no dia-a-dia. Parece que vivemos a maior parte da vida de forma automatizada - exceto em momentos de eventos específicos agradáveis ou não como aniversários, festas diversas, problemas de saúde e funerais.

Geralmente estamos muito ocupados! O excesso de atividades, compromissos, obrigações, trânsito e conectividade nos esgota, nos deixa cansados, estressados, frustrados. Essa não é a vida que planejamos ou almejamos, muito pelo contrário.

cachorro-com-bolinha-aguardando-alguem-para-brincar

E ao chegarmos em casa, lá estão eles - nossos amigos de quatro patas nos esperando.

Nos recebem sempre com muito entusiamo, exceto se não estiverem bem. Entusiasmo que muitas vezes não é correspondido, pois a frustração, o cansaço e o estresse diários tiram de nós até o ânimo para correspondermos à altura - ou um pouco ao menos.

Alguns cães não se contentam com tanta frieza e insistem. Perda de tempo: provavelmente levarão uma bronca e de cabeça baixa irão para o seu cantinho.

A maioria deles percebe o deplorável estado de ânimo do tutor e nem tenta nada. Sabem que é mais um dia no qual não receberão o carinho tão esperado. São sempre experts em detectar nosso estado de humor - se estamos felizes, tristes, preocupados, tensos, etc.


Nos esquecemos...

Quase sempre não nos lembramos de que o tempo deles não é como o nossoHoje eles estão aqui. Daqui a pouco não estarão mais. 10, 15 anos passam tão rápido!

Além disso, a noção de passagem do tempo para eles é bem diferente da nossa. Uma hora fora de casa já é motivo para saudades, felicidade e festejos intensos. Imagine então 12, 16 horas longe de quem eles mais amam... 

Os meus mais novos já estão com 7 anos. Não parece que faz tanto tempo assim que nasceram, parece bem menos, uns 2 ou 3 anos talvez.  

O mais velho está com 13 anos, mas parece que faz uns 5 - no máximo - que o resgatamos da rua. Estava com múltiplas fraturas, sem movimento em uma das pernas. Apenas 2 meses de vida e já havia passado por tanto sofrimento! Ao voltarmos do veterinário nesse mesmo dia, lembro exatamente o cantinho que ele escolheu para deitar-se. Isso ocorreu em 30/12/2005. Mas não parece que faz tanto tempo.

No final das contas, parece que para nós, a noção de passagem do tempo também vai mudando ao longo da vida...


Conviver com cães: um privilégio

Considero um privilégio ter nascido com cães em casa. Foram 18 até hoje - 5 no momento.

Alguns eu vi nascer, ajudei nos partos, nos cuidados nos meses iniciais. Foram momentos inesquecíveis, maravilhosos! É uma fase na qual começam a descobrir o mundo. As brincadeiras de filhotes, o hálito de leite, as mordidinhas suaves dos filhotes - são lembranças que me fazem sorrir.

A maioria eu vi morrer. A alegria inicial do nascimento foi lentamente sendo tragada pela morte que um dia inevitavelmente chegou. Não consigo ver as fotos e videos de muitos deles com aquela saudade agradável e singela que muitos conseguem. Vejo com tristeza e com lágrimas. Algumas fotos eu até evito ver. Sempre penso que poderia ter feito mais, passado mais tempo com eles. Como eu disse no post Perdoar a si mesmo: como isso é difícil!, quantas vezes deixei de fazer o meu melhor.... Inevitavelmente nesses casos, a culpa machuca, corrói, mas pelo menos serve de lição para que eu não cometa os mesmos erros novamente - ou pelo menos tente não cometê-los. Quem vê de fora, até os mais próximos, acham que eu fiz o meu melhor, mas eu não consigo ver dessa forma. Para mim, embora sempre tenha sido muito dedicada no cuidado e em passar tempo com eles, eu poderia ter feito melhor. Algumas vezes a mente e a consciência humanas são muito complexas e acusadoras...

Minha relação com os cães sempre foi muito próxima e intensa. Sempre há um que quer mais atenção, um que fica mais quieto, um que é mais ciumento - algumas vezes é difícil manter o equilíbrio nesses casos, mas nada que uma repreensão verbal mais forte não resolva. Ou mudar o foco, distraindo-os com algo interessante.

E sempre há um que nos "adota" como dono. Com esse, sem dúvida, a conexão e afinidade são maiores.

Gosto das diversas personalidades, das maneiras de agir e interesses diversos. Há os que latem, os que uivam, os que não gostam de comer pela manhã, os que dormem muito, os mais animados, os mais calmos, os que comem demais, os que gostam de água, os que fogem da água...

Atualmente tenho dois que parecem patos - os de 7 anos. Sempre gostaram muito de água! Para mim foi uma novidade, pois todos os outros com os quais convivi sempre fugiam da água - sem exceção.

Exceto a fêmea que é bem tranquila, os quatro machos gostam muito de brinquedos - bolinhas de tênis são as preferidas de todos.


Voltando ao início

Aqui eu gostaria de voltar ao poema inicial. Enquanto muitas vezes estamos cansados ou ocupados com futilidades na internet, na televisão, etc, o tempo vai passando de forma silenciosa, irremediável e implacável. E a vida dos nossos amados animaizinhos de estimação também.

E um dia, não muito distante, a bolinha estará inerte no canto da sala. Não por que estamos ocupados demais, mas por que nosso grande amigo de quatro patas não estará mais lá para com ela brincar...


bola-de-tenis-em-um-campo


O post mais difícil de ser escrito...

Durante todos os anos do blog, esse sem dúvida foi o post mais difícil de ser escrito... 

Espero que ele te proporcione boas reflexões. Mesmo que você não tenha animais de estimação, que meu post te leve a pensar nos relacionamentos interpessoais - pois assim como a vida dos cães passa muito depressa, a vida de muitas pessoas é ceifada muito antes do que é considerado normal, devido a acidentes e doenças.

Que estejamos mais presentes - presentes de verdade - durante os momentos de convivência com aqueles que realmente são importantes para nós, sejam pessoas ou animais.

cachorro-brincando-com-bolinha-de-tenis


Uma singela homenagem

Gostaria de terminar esse post com uma homenagem para todos os animais de estimação que fazem parte ou que passaram pela vida de todos os leitores do Simplicidade e Harmonia.

Nosso elo com o paraíso 
(Postado originalmente em 4 de abril de 2017)

Ah, os cães! 
Só quem os tem ao seu lado sabe como são criaturas especiais, tão importantes auxiliadores para a harmonia e o equilíbrio diários. 
Eles nos dão muito, muito mais do que merecemos e não pedem absolutamente nada em troca.
Temos muito, muito mesmo a aprender com eles.


"Os cães são nosso elo com o paraíso. 
Eles não sabem o que é maldade, inveja ou insatisfação. 
Sentar-se numa colina ao lado de um cão numa tarde maravilhosa, é estar de volta ao Éden, onde não fazer nada não era tédio - era paz."
Milan Kundera


Créditos das imagens: Pixabay

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Para pensar #72


Se você acha que o conhecimento não é importante, experimente a ignorância.
Derek Bok



terça-feira, 2 de outubro de 2018

Alimentos inflamatórios


"Nós somos o que comemos". Esse pensamento atribuído à Hipócrates (460 a.C. a 370 a.C.) parece que foi sendo esquecido ao longo do tempo, alcançando o ápice no século XX, principalmente dos anos 50 em diante.

Devido ao desastre na saúde que muitos alimentos causaram, felizmente um número crescente de pessoas tem voltado a atenção para produtos mais saudáveis, com menos conservantes, aromatizantes e corantes.


frutas-e-verduras

O que ocorre?

A ingestão de alguns alimentos ocasiona uma reação imunológica e a resposta do organismo é a inflamação. Há de considerar-se que não há um padrão de resposta, pois cada pessoa possui uma herança genética e um estilo único.

Como toda inflamação provoca o acúmulo de líquido, quando as células adiposas são atingidas há o acúmulo de gordura. Além disso, inicia-se o círculo vicioso da inflamação, que acaba afetando outras partes do corpo, como intestino, pâncreas, articulações, pele, cérebro, etc. Cada pessoa possui mais sensibilidade em determinados órgãos - que serão os primeiros prejudicados.


O resultado

São muitas as doenças ocasionadas pelo consumo de alimentos inflamatórios. Algumas delas são: obesidade, doenças cardiovasculares, câncer (alguns tipo), diabetes tipo 2, doenças neurodegenerativas (alzheimer), doenças autoimumes (lupus, excesso de produção de anticorpos da tireóide, síndrome metabólica, etc).

É bom ter ciência de que nem sempre tais alimentos são os únicos culpados, pois há uma série de fatores que favorecem tais doenças, como sedentarismo, poluição, estresse, herança genética, etc. Mas se através da mudança de hábitos podemos diminuir ou até suprimir tais produtos da alimentação, por que não fazer isso? Não que seja fácil, pois estamos acotumados e geralmente são produtos tão agradáveis ao paladar!


Os vilões da saúde

A lista abaixo é praticamente conhecida por todos como alimentos não saudáveis, mas é bom pensar em tais produtos também como inflamatórios, pois o termo "não saudável" é vago, genérico e muitas vezes acaba perdendo o objetivo de sinalizar como algo realmente prejudicial. É até muito comum nosso raciocínio de esticar o "não saudável" para "só um pouco não vai fazer tanto mal", "não deve fazer tanto mal assim" ou "tantas pessoas consomem esses produtos"! Nunca vi ninguém morrer por causa deles."  São muitas as justificativas...

Eis a lista:

Embutidos - salsicha, mortadela e cia

Fritura e salgadinhos

Refrigerantes e bebidas açucaradas - talvez esse seja o mais óbvio da lista

Pão branco

Biscoitos, doces e bolos - muito óbvio também. Para mim, é uma pena que chocolate também faça parte dessa lista...

Açúcar - uma das maiores aberrações que a criatividade humana conseguiu produzir: é inflamatório, aumenta a glicemia, sobrecarrga o pâncreas, é viciante, etc.

Arroz branco - sei que não é muito bom, mas fiquei surpresa ao vê-lo na lista, pois faz parte da "comida de verdade", está na mesa de praticamente todos - ou quase todos - os brasileiros e também na dieta dos cães que recebem alimentação natural.

É aconselhável que tais produtos sejam a exceção e não mais a regra na alimentação habitual.


doces-diversos-em-bandejas

Embalagens e gôndolas

Parece até que quanto mais bonita e chamativa a embalagem, mais prejudicial é o produto para a saúde. Já reparou que um pacote de aveia geralmente possui uma embalagem mais simples, enquanto os cereais de milho (ricos em açúcar) possuem embalagens e caixas mais atraentes? O mesmo ocorre com as bolachas recheadas, salgadinhos, doces, balas, etc.

Frutas também não possuem embalagens atrativas, enquanto os sucos prontos - em pó e líquidos - possuem embalagens muito coloridas.

Não são necessárias estratégias de marketing para vender produtos básicos - não é por acaso que ficam no fundo dos supermercados. Para chegar até lá, se você não andar pelos corredores de produtos de limpeza, é bem provável que para chegar ao seu objetivo, atravesse os corredores dos produtos deliciosos vilões da saúde, que estão ali estrategicamente para induzi-lo a compra.

Não é fácil resistir, mas tente ao menos diminuir a quantidade de itens. Ou nem passe por esses corredores. Tenho alcançado bons resultados com essas duas estratégias.

E nunca vá às compras com fome. A chance de comprar o que não precisa é muito maior. Fiz isso algumas vezes e os resultados foram desastrosos: só fui perceber a aberração de compra ao chegar em casa: bolachas recheadas e pães em excesso. Chocolate já havia em casa, por isso não comprei...


vegetais

Conclusão

Precisamos nos voltar à uma alimentação mais simples, mais nutritiva, satisfatória ao nosso organismo - e não o contrário. Muitos alimentos não deveriam sequer receber essa denominação, de tão prejudiciais que são. 

A alimentação de hoje invariavelmente trará resultados no futuro. Para que esses resultados sejam os melhores possíveis, precisamos fazer boas escolhas no presente. Isso depende apenas de nós.

Nossa saúde futura agradecerá.


Fonte: Metro Jornal - Alimentos anti-inflamatórios combatem doenças e excesso de peso
Créditos das imagens: Pixabay