terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Eu mereço?


Recentemente vi uma propaganda com ofertas de bolachas e chocolates. O título, que estava na frente de uma grande bolacha recheada, era: eu mereço.


bolachas-recheadas


É difícil encontrar alguém (de todas as idades) que não goste de chocolates ou de nenhum tipo de bolacha. Por isso, acredito que essa afirmação produza no leitor a ânsia por justificativas mentais que expliquem o motivo da compra - que obviamente não será por necessidade, mas por desejo.

O problema é que o desejo não é nada racional, muito pelo contrário, é basicamente emocional. Se houvesse uma relação equilibrada entre razão e desejo, será que alguém consumiria tanto açúcar e gordura juntos, como no caso das bolachas recheadas?

No momento de saborear é agradável, mas e quanto às consequências? O que será que uma propaganda como essa está nos dizendo nas entrelinhas? Seria algo como: eu mereço obesidade, hipertensão, diabetes, inflamações (o açúcar branco é altamente inflamatório por si só), etc?

Considerando o fato de termos o paladar tão alterado desde a infância pelo excesso de açúcar e pelo glutamato monossódico (vale a pena pesquisar sobre essa substância), será que o "eu mereço" faria o mesmo efeito se fosse utilizado em ofertas de frutas, legumes ou verduras? Nesse caso, nas entrelinhas, o "eu mereço" estaria dizendo: eu mereço saúde, vitalidade, disposição, clareza mental, etc.

De acordo com nossos hábitos, quantas pessoas são realmente capazes e determinadas o suficiente para ver o que está além das frases de efeito e das imagens bonitas aos olhos, mas terríveis à saúde?

Da próxima vez que você ver uma propaganda do tipo, pergunte-se da forma mais racional possível: as consequências e os impactos negativos desse produto à saúde, aparentemente tão inofensivo, realmente valem a pena?


Como está escrito na carta de Paulo aos Coríntios:
"Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam."
1 Coríntios 10:23


Créditos da imagemTuomas_Lehtinen Free Digital Photos


18 comentários:

  1. Acho que cuidar da saúde faz bem e é bom,mas que merecemos umas coisinhas boas, isso merecemos, sem neuras,rs...Lógico que no caso, prefiro merecer chocolates ao invés de bolachas,rs... beijos, lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  2. Chica,

    Também acho que de vez em quando é válido, mas como habitual é muito prejudicial à saúde, por isso é importante não cedermos aos apelos das propagandas e das embalagens tão atrativas.
    Sou como você: prefiro "merecer" chocolates. rsrsrs

    Abraços,

    ResponderExcluir
  3. Muito interessante o teu blog. As propagandas já trazem em si o pernicioso elemento de influenciar! beijos

    https://ives-minhasideias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ives,

      Bom saber que gostou do meu blog.
      Depois verei o seu com mais calma, mas adiantando, gostei dos seus poemas!

      Abraços,

      Excluir
  4. Não é atoa que a natureza colocou o cérebro acima dos olhos, do nariz, da boca e da barriga, mas não adiantou muito, rs. É uma luta diária.
    Abraço Rô!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uó,

      Gostei do seu comentário, você tem toda razão. rsrsrs

      Abraços,

      Excluir
  5. Todo esse negócio da pirâmide alimentar basear-se em carboidrato foi lobby da indústria do açúcar e da máfia da produção agricola americana. Açúcar só faz mal e mais nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. conhecimentofinanceiro,

      Interessante o seu comentário sobre a pirâmide, eu desconhecia o "detalhe" do lobby. Vou pesquisar sobre o assunto, já considero um excelente tema para um futuro post.
      Agradeço por sua dica!

      Abraços,

      Excluir
  6. É muito difícil ter uma alimentação 100% saudável e livre de aditivos quimicos.

    Quase tudo tem açúcar ou sódio ou glutamato monossódico ou glúten ou gordura vegetal hidrogenanda ou corantes ou acidulantes ou conservantes ou resquícios de agrotóxicos ou várias dessas coisas juntas.
    Dessa forma a melhor saída é cortar o que for necessário e ter moderação de forma geral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Precisamos ter moderação: você disse tudo.

      Abraços,

      Excluir
  7. Rosana, veja essa foto que tirei há mais ou menos um mês em um restaurante que almocei: https://prnt.sc/ib1og4 .

    A ideia era fazer uma postagem sobre o assunto, mas eu estava com outras prioridades e no fundo acabei deixando de lado.

    Mas vejo que vc exemplificou perfeitamente a imbecilidade desse tipo de comunicação. E como bem disseram os leitores acima, o açúcar é um vilão oculto, mas que aos poucos, vai deixando cair sua máscara... E olha, tem muita coisa que não tem açúcar não. Dá para fazer uma alimentação muito boa com sua ausência.

    Abraço!

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. André,

      Sua foto mostra muito bem o quanto somos influenciados por esse tipo de estratégia de marketing, o que me fez lembrar dos supermercados com suas gôndolas próximas aos caixas repletas de doces, revistas, brinquedos ou coisas das quais não precisamos.
      Se antes esses locais eram utilizados para pilhas, um item que realmente poderíamos ter esquecido nas compras, agora as opções são bem diferentes.

      Gostei do "imbecilidade desse tipo de comunicação".

      Dá mesmo para fazer muitas coisas sem açúcar e com o tempo o paladar vai se acostumando novamente ao sabor dos alimentos não tão doces ou tão artificiais.

      Ainda sobre a sua foto, provavelmente essa caixa estava na linha de visão e do alcance das crianças, não é?
      Nada é por acaso...

      Abraços,

      Excluir
    2. Com certeza, Rosana! Feito para crianças rsrs... Aliás, elas são as maiores e mais fáceis vítimas hoje dos anunciantes...

      Excluir
    3. André,

      Você tem toda razão. Além disso "doutrinando" dessa forma desde o início da vida, imagine que tipo de alimento a criança vai preferir ao longo da vida...

      Abraços,

      Excluir
  8. Gostaria de receber uma força para divulgar o meu novo blog sobre Independência Financeira. Nele vou compartilhar meu último ano antes de começar a viver a sonhada IF. Lá compartilho um olhar menos técnico e uma visão mais pessoal da transição que estou fazendo para deixar meu emprego. Se eu puder divulgar aqui no seu blog ficaria feliz em retribuir a gentileza colocando um link na minha página também.
    IF365 | INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA E APOSENTADORIA ANTECIPADA

    https://srif365.wixsite.com/if365

    Obrigado!

    Sr. IF365

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo,

      Gostei do seu blog, desejo-lhe sucesso!

      Excluir
  9. O objectivo do marketing é mesmo esse... criar necessidades, onde elas não existem... explorar a insatisfação humana, e colocá-la ao serviço... de quem vende... e não de quem consome...
    Um post sobre um assunto, bem actual, pertinente... e preocupante!
    Quando alguém nos quer vender algo... a questão é... será que eu preciso?...
    E quanto mais atractiva a publicidade... mais será de desconfiar!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana,

      Agradeço por seu comentário, espero que esteja gostando do meu blog. :)

      Se pensarmos "será que eu preciso?" no momento da elaboração da lista de compras, nossa lista talvez não tenha nem metade dos itens previamente planejados.

      Infelizmente o marketing tem explorado demais a insatisfação humana. Carro virou sinônimo de sucesso e liberdade, margarina de felicidade.
      Como você disse no seu blog: "O dinheiro pode comprar-te roupas... mas jamais poderá dar-te estilo..."

      Abraços,

      Excluir